Cinnamon rolls

[print_link] | [email_link]

Ainda vai chegar o dia em que eu vou entrar na cozinha pra preparar algo e não ter um chilique. Algo que já não seja semi-pronto, tipo miojo, que fique claro. Toda vez que eu decido testar uma receita, especialmente se é de coisa inédita, rola um chiliquino básico #prontofalei. E é claro que nesta tarde de muito calor e sol em São Paulo eu resolvi me enfiar na cozinha de forno quente ligado pra preparar uma fornada de cinnamon rolls.

Padaria, infelizmente, não é o meu forte, apesar de já ter ouvido muitas vezes do namorado que “Honey, you’re an excellent baker”. Sou mais boleira que padeira, sou mais amiga do pó Royal do que do fermento Fleischmann. Seria preguiça de sovar a massa? Falta de força nos braços? Aí que ontem eu tava dando uma folheada no “How to be a domestic Goddess” da Nigella e vi a receita dos ditos rolinhos de canela e me lembrei do meu primeiro contato com eles, há quatro anos atrás numa praia de Omã. Minha amiga Elisabet, sueca, preparou uns e desde então que eu morria de vontade de fazê-los mas nunca tinha coragem, por causa da minha total inabilidade para sovar massas. Eis que ontem a Nigella, aquela linda, dizia que era possível sová-los com o gancho para massas da batedeira. A glória! A salvação! A estréia do gancho da KitchenAid!

A estréia do gancho

Li a receita de novo, comecei a juntar todos os ingredientes necessários e dei início ao projeto padaria. Tudo indo bem demais pra ser verdade até o momento de juntar os ingredientes secos e os molhados: “a massa deve ficar suave e ‘pulante'(springy em português? alguém?)”. Tudo bem que a minha experiência de padeira é pouca e os fracassos constantes, mas dava pra perceber que a aquela massa nem de longe se parecia com a descrita no livro, mais impossível ainda seria transformar aquilo tudo numa bola. Chilique, chilique muito feio. Coloco mais farinha, ainda não, mais farinha, ainda não, mais farinha e… hm, agora pelo menos acho que não tá tão ruim. Deixa como tá pra ver como é que fica. Ficou a massa repousando na cozinha e eu vim pra sala chorar as pitangas. Vinte e cinco minutos depois eu volto e ela tá lá, bonitona, gloriosa, crescida, orgulho da mamãe. Dei um soco nela pro ar sair e segui com as instruções da Nigella.

Ói que espetáculo de crescimento! Prontinha pra ser trabalhada.

Para a minha alegria, a massa não só estava bonita como também trabalhável, ela desgrudava dos dedos, soltava do rolo, uma felicidade só. Superfície levemente enfarinhada e a bonita lá, sendo rolada e desenrolada, pincelada, alisada e depois cortada pra ir direto pra assadeira e de lá pro forno. Vinte e cinco minutos depois eu vejo os rolinhos todos crescidos na assadeira, douradinhos, fofos fofos. Tirei do forno, coloquei numa grade e levei pra mesa com um cafezinho. Tudo o que eu precisava pra ser feliz! Nigella, sua linda, quer ser minha amiga?

Para fazer os cinnamon rolls você vai precisar de:

5 a 6 xícaras de farinha (a receita falava 4, mas não foram suficientes);

1/3 de xícara de açúcar;

1/2 colher de chá de sal;

3 colheres de sopa de fermento biológico (eu usei 2 saquinhos de 10g);

1/2 xícara de manteiga;

1 e 2/3 de xícara de leite;

2 ovos.

Numa tigela junte a farinha, o açúcar, o sal e o fermento. Derreta a manteiga e em outra tigela junte com o leite e os ovos, então verta-os sobre os ingredientes secos, misture e comece a sovar – foi aí que o super gancho da super KitchenAid entrou em ação – até que a masa fique suave e pulante (smooth and springy). Forme uma bola com a massa e coloque numa tigela previamente untada com óleo (usei de girassol) para descansar por 25 minutos, cubra com filme de pvc.

Enquanto isso você pode dar início ao recheio, para o qual você vai precisar de:

1/2 xícara mais duas colheres de sopa de manteiga amolecida;

1/2 xícara mais duas colheres de sopa de açúcar;

1 colher e meia de canela em pó.

Aí você vai colocar tudo junto numa tigela e misturar até formar um creme. Pode ser com um fouet, na mão.

25 minutos depois você vai pegar um terço da massa e abrir até que fique do tamanho do fundo da assadeira que você vai usar (retangular de 33 x 25 cm) e que já deve estar devidamente forrada com papel manteiga. Então abra o resto da massa num retângulo de 25 x 50 cm (mais ou menos, mas eu sou neurótica e usei uma fita métrica) e cubra-o totalmente com a mistura do recheio, eu usei uma espátula de confeitar pra facilitar minha vida. A partir do lado mais largo, comece a enrolar como se fosse um rocambole, até você ficar com uma cobrona (lembra das cobrinhas de massinha? é o mesmo princípio) que você vai fatiar em fatias de uns 2 cm, o que deve render umas 20 fatias. Vá colocando-os por cima da massa que está forrando a assadeira, eles ficam todos juntos mesmo, mas depois se separam numa boa, pode confiar.

Primeiro forre a assadeira com o papel manteiga e depois com um terço da massa.

Estenda os outros 2/3 da massa na bancada e espalhe o recheio.

Aí vai cortando a cobra em fatias e colocando sobre a caminha de massa na assadeira.

Mande pro forno por uns 20-25 minutos e aí é só passar um cafezinho, chamar azamiga pra não engordar sozinha e ser feliz!

E no fim eles ficam lindos assim!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Sobre Ângela

Professora, mestranda e dona de casa. Ou seja, a pessoa que, na concepção dos outros, menos trabalha no mundo.

Comentários

  1. Adriana diz:

    springy… talvez “elástica”? Pela cara ficaram muito bons mesmo.
    Fiquei com vontade. =)

  2. Ângela diz:

    Boa! Provavelmente elástica é uma boa! =)

  3. Com certeza, é massa elástica!
    O que acontece muitas vezes, é que a farinha que usamos (isso depende da marca) absorve mais ou menos a umidade dos ingredientes “molhados”, por isso que ás vezes precisamos acrescentar mais.
    Adorei a receita! Vou fazer, com certeza! Adoro esses rolinhos! Comprava toda semana em uma padaria chamada “Beira Mar”, em Icaraí (Niterói/RJ).
    bj!

  4. Rafael Fischer diz:

    Acabei de fazer, ficou excelente. Mas sofro com essa massa, sempre fica grudando por tudo !

  5. é impressionante como você consegue escrever as receitas (e as historias que envolvem elas), de maneira tao leve, tao fácil. Parabens!

  6. Ângela diz:

    Obrigada pelos elogios, Ilyucha. Beijo,
    Ângela

  7. Rosana diz:

    Uma delícia! Vou fazer com certeza!

Deixe o seu comentário

*

css.php