Croque Monsieur

[print_link] | [email_link]

Semana passada uma amiga muito querida fez aniversário e ontem teve jantarzinho comemorativo em homenagem a ela aqui em casa. A Tate também é campineira, mas foi na época em que morávamos em São Paulo que nos aproximamos, durante algumas caminhadas com Hachizhinho, sopas, chocolates quente e uns passeios no shopping. Agora que estamos as duas de volta em Campinas temos nos encontrado menos, vai entender…

O cardápio foi pensado para ter um tema francês, já que a aniversariante é chique e morou em Paris. Para um toquezinho de nostalgia teve também uma sopinha de tomate , que era um grande hit dos nossos encontros paulistanos. Dessa vez ela foi incrementada com catupiry e folhinhas de manjericão colhidas direto do jardim. Como acompanhamento da sopa eu fiz, pela primeira vez, o clássico croque monsieur, que a própria Tate me sugeriu fazer uma vez há tempos atrás. Procurei pela receita na internet e a que me pareceu mais confiável foi a do Olivier Anquier, mas fiz minhas modificações, já que a original pede presunto e eu não como porco.

Para fazer o croque monsieur você vai precisar de :

pão de forma, eu comprei aquele que já vem sem a casca e usei o pacote todo.

duas xícaras de creme de leite,

quatro ovos,

sal e pimenta do reino a gosto,

100g de rosbife (eu peço sempre pelo “caseiro”, que não curto aquele industrializado),

200 a 250g de queijo gruéyre ralado.

Faça um creme com os ovos, o creme de leite, o sal e a pimenta, disponha fatias de pão em uma assadeira e regue com a mistura até que o pão esteja bem embebido. Então coloque o rosbife e o queijo e mais uma fatia de pão por cima, para fechar o sanduíche e regue com o que restou do creme. Jogue mais queijo ralado em cima e leve ao forno quente por uns 15 minutos, até que o queijo tenha gratinado.

Por fim, tivemos madeleines e macarrons recheados com lemon curd de sobremesa. Só sei que tava tudo tão bom que no fim nem me lembrei de tirar fotos!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Sobre Ângela

Professora, mestranda e dona de casa. Ou seja, a pessoa que, na concepção dos outros, menos trabalha no mundo.

Deixe o seu comentário

*

css.php