Canja

[print_link] | [email_link]

Engraçado perceber como algumas coisas são gostos adquiridos. Se existe uma comida da qual eu não gostava de jeito nenhum quando eu era criança, essa comida era canja. Lembro bem de uma vez que a dita apareceu para o jantar, eu tinha uns 8 anos e fiquei caçando os pedacinhos de frango para poder jogar tudo fora depois. Uma das razões para a minha birra com ela é o fato de não gostar de “comida que bóia”, por este termo entenda-se qualquer coisa que fica no limbo entre ser sólido ou líquido. Ou bem uma coisa é líquida e fluida, tipo sopa, ou bem é sólida, tipo macarrão, risotto, bife… Tenho nojinho de coisas como feijoada e moqueca, sabe como? Aquela comida que fica ali, indecisa, sem saber se é pra ser comida em prato fundo ou prato raso? A canja, pra mim, era desse time de cima do muro, que não sabe se é pra ser comida com colher ou garfo. Talvez o fato de eu ser ponte-pretana faça com que eu goste das coisas “preto no branco”, bem definidas.

Enfim, a gente cresce e muitos gostos mudam. Prova disso é que passei a simpatizar com a sopa de galinha depois de tê-la associado a boas memórias, como a ajuda que ela me deu para me curar de um resfriado que veio me assombrar quando estive em Praga no ano passado. Praga e eu temos uma relação de amor e ódio, meio doentia, passo mal toda vez que vou pra lá e mesmo assim continuo voltando… Vai entender…

A receita dessa canja veio de um livro novo, muito bacana, presente da minha melhor amiga e personal chefe de cozinha. Se chama “Cozinha judaica da Maria” e conta histórias de famílias judias brasileiras e suas receitas, tem até culinária judaica do Pará! É muita gourmandisse para uma aspirante de ídishe mame! Para fazê-la você vai precisar de:

2 peitos de galinha com ossos (Nesse momento tive um debate interno sobre a questão do frango orgânico: comprar ou não dois peitos de frango orgânico? É melhor pra saúde, essa galinha provavelmente teve uma vida mais feliz, não tomou antibiótico… Custa só 10 vezes o preço do peito da outra granja… OI???? Custa 10 vezes o preço do frango da outra granja? É isso mesmo? Sendo essa uma receita judaica, sendo a cozinheira judia e levando-se em consideração o fato de que eu nunca vi um frango inorgânico… Fui no frango com antibiótico mesmo. Se alguém já tiver visto frango inorgânico, favor avisar.)

Bom, voltando à receita:

2 peitos de frango com ossos

1 cebola grande inteira

2 cenouras bem picadas

2 batatas bem picadas

1 xícara de chá de arroz cru

sal a gosto

1/2 maço de salsinha

Cozinhe os peitos em água com a cebola, a salsinha e o sal. Coe o líquido e reserve a carne. Coloque o líquido de volta na panela, adicione as cenouras, as batatas e o arroz cru. Desfie a carne e misture ao caldo. Deixe no fogo até o arroz ficar cozido.

A medida da água? Você me pergunta. Eu respondo que deve ser o suficiente para cobrir todos os ingredientes que estão na panela.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Sobre Ângela

Professora, mestranda e dona de casa. Ou seja, a pessoa que, na concepção dos outros, menos trabalha no mundo.

Deixe o seu comentário

*

css.php