Eu voltei, provavelmente para ficar

[print_link] | [email_link]

Pois é, né? Depois de mais de dois anos voltei a clicar no “adicionar post novo” na barra à esquerda do painel de controle do blog.

Tanta coisa mudou na minha vida nesses 24 meses que tá até difícil de pensar por onde devo começar. Talvez seja o caso de fazer uma sinopse, como aquelas que a gente via em contracapa de VHS quando ia na locadora escolher um filme. Com vocês:

Os dois últimos anos da vida de Ângela Goldstein

Depois de retornar da Tailândia em março de 2015, Ângela se prepara para ir a Inglaterra passar uma temporada com o namorado, lá ela aprende a fazer crochê com a sogra. Ao regressar ao Brasil em outubro do mesmo ano retoma a rotina de aulas particulares em Campinas ainda morando na casa da mãe. Em março de 2016 volta à Inglaterra, onde fica por dois meses. Mais uma vez volta para a rotina de aulas em Campinas, o relacionamento à distância chega ao fim e uma oportunidade de trabalho em São Paulo aparece. Em setembro, juntamente com o novo emprego, inicia-se a busca por um novo apartamento. A mudança acontece em novembro.

Então é isso, minha gente, desde o fim do mês passado estou instalada na capital outra vez. Agora bem longe do meu querido e saudoso Brooklin, vim parar num pedaço da cidade que nunca me encantou muito; a Vila Madalena. Pois é, podem achar estranhão, eu não gosto muito da Vila Madalena, de sorvete de chocolate e nem de nutella. Vim parar aqui simplesmente por não abrir mão de morar perto do trabalho, de casa na fiRma demoro 10-15 minutos. Aos poucos estou conhecendo mais do bairro e simpatizando com ele.

A casa também está tomando forma e aos poucos sendo cada vez mais minha, apesar de ainda ter um monte de caixa espalhada por aí. Devagar devagarinho vou voltando pra cá também, tenho tanto do que falar sobre os últimos meses de procura por casa e quetais.

Deixo vocês com uma foto da casinha nova, pra saciar um pouco a curiosidade!

Sala

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Sobre Ângela

Professora, mestranda e dona de casa. Ou seja, a pessoa que, na concepção dos outros, menos trabalha no mundo.

Comentários

  1. SERGIO MEDEIROS diz:

    Estava com saudades do “Manual”. Favor postar receitas fáceis, rápidas, baratas, saudáveis e deliciosas!

  2. Ângela diz:

    Pode deixar, tio! Em breve virão algumas delas! Bjs!

Deixe o seu comentário

*

css.php