Para morar sozinha precisa ser corajosa? Parte I

Print This Post Print This Post | Envie este post por email Envie este post por email

Outro dia li no Maria é fulana e descolada um post que falava que pra morar sozinha precisa ser corajosa. Não sei se concordo plenamente, já que no meu caso foi apenas a consequência de uma situação e eu mais fui empurrada pra situação do que precisei me armar de coragem pra tomar a decisão e ir em frente. Assim sendo, eu nunca realmente parei pra pensar no que viria pela frente e me planejar, as coisas foram acontecendo, os imprevistos surgindo e eu lidando com eles de maneira mais ou menos equilibrada dependendo do momento do mês em que me encontrava (mais pro fim já sem grana ou ainda no começo e ainda com um dinheirinho no banco).

O principal conselho que eu posso dar para quem ainda está planejando sair de casa ou já está na ponta do trampolim, o que foi o meu caso, é óbvio mas fundamental: Tenha um orçamento e não estoure-o; custe o que custar.

Agora você, que começou a ler o parágrafo acima achando que ia encontrar uma frase de sabedoria, praticamente um provérbio chinês e se deparou com a obviedade da obviedade, deve estar pensando: “Dã-ãã, agora me conta uma coisa que eu não saiba, bem”.

Pois eu conto! Conto que é difííícil não passar o orçamento que você estabelece e que esse orçamento, no início da carreira solo, é praticamente todo o seu rendimento mensal. Complicou, né? Pacas. Especialmente pois nele estarão inclusas todas as suas despesas mensais, que agora incluem coisas de adulto super chatas tipo IPTU e vazamento na casa do vizinho; coisas com as quais você nunca nem tinha sonhado, nem nos seus delírios mais loucos, que existissem e que se repetem anualmente ainda por cima.

Nesse orçamento você precisa incluir quatro coisas fundamentais:

- Despesas fixas-fixas tais como: aluguel, condomínio, IPVA, IPTU, faxineira, ração do cachorro e alguma outra conta cujo valor mensal não se altere.

- Despesas fixas-flutuantes tais como: mercado, gasolina, luz, água, telefone e outras contas que aparecem todo mês mas cujo valor mensal pode variar.

- Despesas imprevistas: Vazamento na casa do vizinho, multa de trânsito, resistência do chuveiro que precisa ser trocada e tantas outras coisas legais que te surpreendem todo mês fazendo a sua vida ter mais graça e seu couro cabeludo mais cabelos brancos. Para este tipo de despesa é necessário ter um caixa mensal, tipo cinquentinha que você guarde todo mês se prevenindo. Assim, quando o problema aparecer, você não vai se descabelar e nem passar o resto do mês muito apertada.

- Caixa e outras despesas: Nisso se inclui aquele dinheirinho que a sua mãe te ensinou que tem que guardar todo mês, seja pra comprar um roupa nova, fazer uma viagem etc.. Você pode estabelecer um mínimo que deve ser guardado todo mês (recomendo) ou guardar o que sobrar depois que você já tiver gastado dinheiro no que precisa e no que quer.

As outras despesas são aquelas que a gente queria que fossem as essenciais como cabeleireiro, esmalte, roupa, sapato, bolsa, filme… Tem gente que prefere separar uma parte do salário pra esse uso específico e tem gente que prefere subtrair todas as outras despesas anteriores do salário, ver quanto sobra e gastar este restante. Vai de cada um. O importante é que você não deixe de pagar nenhuma das despesas fundamentais da sua vida pra gastar aqui.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Sobre Ângela

Professora, mestranda e dona de casa. Ou seja, a pessoa que, na concepção dos outros, menos trabalha no mundo.

Comentários

  1. Nunca morei sozinha, mas sempre dividi com minha mãe com as contas da casa (tipo meio a meio mesmo)! Confesso que qd eu e maridinho, na época namorado, resolvemos morar juntos, deu um frio na barriga, agora era por nossa conta e responsabilidade! Mas foi o marco da minha vida!
    Adorei como você fez as separações das despesas… fixas, fixas flutuantes, imprevistas, outras despesas.. hehehe! O que é meio dificil é conseguir o caixa de reserva, que geralmente é consumido pelas imprevistas que de tantas já estão quase virando fixas flutuantes, mas enfim… rebolando daqui, patinando dali e sempre dando um jeitinho! rsrsrs!

    bjos

  2. Carol diz:

    Nossa muitos adendos…

    1. Eu sou da tribo, tomei coragem e fui! Posso dizer que dá certo, mas precisa de persistência.
    2. Eu sou da tribo, do sozinha qto a família, porém acompanhada de outras pessoas. A tal da república! E digo nesse quesito, seria melhor morar sozinha. Tenho minha teoria de que qdo vc está sozinha, pelo menos não espera que ninguém faça nada, mas qdo é em grupo, vc espera o mínimo. E o seu mínimo as vezes é o extraordinário do coleguinha. E acredite, isso inclui lavar a própria louça! =)
    3. Agora, o tutorial dali de cima é lindo, mas na prática… e os petiscos de filhote? e o veterinário? =P E por aí vai…
    4. Acho que eu vou imprimir a parte dos imprevistos em arial 28 e grudar na porta da minha casa, quem sabe alguém lê e entende isso… =P

  3. RONALDO IVAINSKI diz:

    ADOREI DE MAIS SUA HISTORIA
    ME DEU UMA EXPIRAÇÃO E APRENDIZAGEM COM O VALOR FINACEIRO

  4. ana paula graff diz:

    bom eu quero morar sozinha por que com a minha mae nao é muito facil de lidar,ela me secura demais,quando meu namorado vem aqui nao posso ficar a hora que quero com ele se ficar depois vem pronca.ja morei com um namorado meu e nao é tao bom assim,so que quero sair de casa nao por ficar asos com o namorado mas sim fazer o que eu bem entender sem precisar pedir ordem pra ninguem.gostei desas pagina pq eu li e vi como sao as coisas.

Deixe o seu comentário

*


seis × = 42

css.php